jump to navigation

A greve de TIC no DF ( em Brasília ) 2011/08/09

Posted by alnbr - Revista de Opinião in 1.
trackback

Ou “Uma Associação sem rumo”

Tôda a “mobilização da categoria”, com a adrenalina da passeata, e heroísmo das reuniões e assembléias, acaba numa denúncia tardia como esta (5. RESPOSTA DO QUEIROZ).

Os empregados ficam sabendo muito tempo depois o que deveriam saber no momento vivido.

É fácil ver o futuro que queríamos quando olhamos para o passado e vemos os pontos críticos de nossa vida serem conectados da maneira que queríamos.

Mas só podemos saber no futuro se tivermos a coragem de tomarmos nossos próprios pontos no … passado … no nosso hoje.

A energia e os recursos postos em ação para “participar” de uma “mobilização” promovida pelo próprio SINDPD-DF, agora com nova “manada” para manobrar, não produziu nada de bom para a categoria.

Vocês, que participaram:

1 – NÃO TÊM UMA ASSOCIAÇÃO DE VERDADE – ainda é uma Lista;
2 – NÃO TÊM UM SINDICATO DE VERDADE – ainda é o SINDPD-DF;
3 – RECUSAM-SE, INFANTILMENTE, EM PARTICIPAR DE UM MOVIMENTO LEGÍTIMO E DESINTERESSADO promovido por colegas de vocês – que ao contrário de alguns de vocês não ouvem flácidas tertúlias para dormitar bovinos – só porque “não gostam da assinatura de alguém” e deixam de COLABORAR COM A COMUNIDADE PROFISSIONAL na criação do SINDICATO DOS PROFISSIONAIS LIBERAIS E AUTÔNOMOS E EMPREGADOS DAS EMPRESAS PRIVADAS DE TECNOLOGIAS DE COMUNICAÇÃO DO DISTRITO FEDERALSINPTICDF para representá-los;
4 – gastam dinheiro para justificar militância política e favorecer o SINDPD-DF com mais apôio financeiro – vocês entram para o sindicatão, pagam as contas, perdem as negociações e atrasam todo mundo só porque vocês  “não gostam” de alguém;
5 – não contribuem com a comunidade profissional na elaboração de propostas de legislação profissional que vem de encontro às necessidades PERMANENTES dos colegas, como por exemplo:

5.1 – inclusão das profissões de TIC no rol das PROFISSÕES LIBERAIS DO BRASIL;
5.2 – criação da figura institucional da PESSOA LIBERAL, que a exemplo da PESSOA FÍSICA e da PESSOA JURÍDICA, que institucionaliza as profissões liberais e protege os profissionais com uma regulamentação adequada;

6 – elaboração de legislação que DESONERA DE IMPOSTOS OS SALÁRIOS e os ORÇAMENTOS DAS EMPRESAS – o que impediria a aberração da EFTI;
7 – criação da ANOTAÇÃO DE EXERCÍCIO DE PROFISSÃO LIBERAL AEPL, documento que registra o exercício das atividades profissionais do PL, faz o contrôle financeiro e o correspondente REGISTRO NO ACÊRVO TÉCNICO do Profissional Liberal de TIC;
8 – elaboração de proposta de legislação de criação da 6ª Câmara do Ministério Público Federal – Câmara de Fiscalização das Profissões Liberais – os membros do MPF têm por CARREIRA DE ESTADO FISCALIZAR A LEI e sua aplicação, quem melhor do que o MPF para fiscalizar o exercício das Profissões Liberais? – foi ao MPE que vocês recorreram com denúncias para terem seus direitos preservados e garantidos; e
9- outras, a lista poderia cansá-los.


Como vêem, não se tira muito de bom para a categoria além de uns míseros percentuais – eu não nego a importância dêste dinheiro no salário dos colegas e respeito e PARABENIZO os colegas que foram à luta por isto – acontece que isto não é PELA categoria, é PARA a categoria, e vai, ou pode ser perdido em negociação futura já que não se muda nenhum paradigma de negociação.

Embora concordo que devêssemos participar de QUALQUER movimento por aumento de salários fazê-lo UNICAMENTE é um êrro estratégico, e não podemos prescindir de uma ESTRATÉGIA para impor respeito e fazermo-nos respeitar não só pelos patrões, mas principalmente, pelos CLIENTES.

Brigar por questões pessoais e de ego para não ser “liderado” e não abrir mão “da propriedade da categoria” não produzem muito mais do que aquilo que vocês fizeram – e foi grande – e isto é muito bem registrado pelo caso da MONTANA.

PROFISSIONAIS TÊM CLIENTES E SISTEMAS TÊM USUÁRIOS.




 

RENOVO o convite para participarmos dos dois movimentos:

1 – a criação da APTIB – uma Associação Profissional de TIC com uma temática (discplina);
2 – a criação do SINPTICDF; e
3 – a criação de diversas outras associações profissionais temáticas para congregar os colegas.

Colaborar é um trabalho que se faz junto, liderar é um desperdício de energia que se faz sozinho.
 
Procure no www.Scroogle.org por associações profissionais nos EUA e vejam como o Povo Estadunidense RESPEITA os profissionais.

É porque lá o ensino universitário é PRIVADO e a família faz um fundo para pagar o estudo dos filhos, que se tornam profissionais e são respeitados pelo achievement que fazem.

É MENTIRA que os EUA são “ruins” e Cuba é “boa”, basta ver a diferença de prêmios Nobel, números de patentes registradas das invenções do povo, renda, IDH e tantos outros parâmetros de comparação entre nações.

Quando você tiver algo assim em SEU país então você poderá dizer que é de primeiro mundo.

Drawing from some of the most pivotal points in his life, Steve Jobs, chief executive officer and co-founder of Apple Computer and of Pixar Animation Studios, urged graduates to pursue their dreams and see the opportunities in life’s setbacks– including death itself– at Stanford University’s 114th Commencement on Sunday in Stanford Stadium.


Temos de trabalhar em regime de COLABORAÇÃO e não COMPETIÇÃO.

Temos de ter OBJETIVOS:

1 – criar associações profissionais;
2 – criar o SINPTICDF;
3 – promover a elaboração de legislação que PRECISAMOS e NÃO VAMOS TER SE NÃO FIZERMOS NÓS MESMOS!

Anúncios

Comentários»

No comments yet — be the first.

Deixe uma resposta, sua colaboração é sempre muito bem-vinda.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: